CIDADANIA CRISTÃ – PE. FABIO SENNA

PADRE FABIOComumente costumamos ouvir por aí seja na televisão seja em outros meios de comunicação de massa, que o Estado é laico, isto é, não professa nenhuma fé ou crença oficialmente, de acordo com a Carta Magna deste País, a Constituição. E, de fato, isso não está errado, é isso mesmo. O Estado, enquanto estrutura fictícia ou virtual e mesmo de governança, realmente não professa uma fé ou crença específica, embora seja sempre governado por pessoas que têm alguma crença.

Mas já não acontece o mesmo com a Nação.

O Brasil é uma nação composta por mais de 200 milhões de habitantes que em sua maioria esmagadora professa alguma fé ou crença seja ela qual for. Uma minoria não professa nenhuma fé ou se declara ateia. Disso já podemos tirar que a nação brasileira não é laica, mas tem algum tipo de fé. E como resolver o impasse de tantos questionamentos que se fazem nos dias de hoje? Pois estes questionamentos fazem supor que a nação é constituída por pessoas incrédulas, ou mesmo, com anseio de anular, desrespeitosamente, qualquer tipo de fé ou crença.

Disso decorre que em nossos dias que se debate muito sobre o papel das religiões ou das diversas Igrejas cristãs, de seus símbolos, do seu relacionamento com a sociedade civil ou com o Estado. Toda supressão de liberdade de manifestações religiosas consiste em grave crime contra a pessoa com toda sua dignidade e direitos e contra a Constituição deste País que assegura este direito. Mas alguém de repente poderia perguntar: e quanto aos símbolos religiosos espalhados por praças públicas, repartições públicas, sedes de governo etc.?

Ora eles estão nestes locais simplesmente por uma questão histórica. Vejam só um exemplo: hoje existem muitos edifícios e locais históricos tombados pelo patrimônio histórico ou são patrimônios da humanidade. E busca- se sempre preservá-los porque eles nos contam um pouco da História e preserva nossa memória coletiva, nossa consciência histórica. E quando um deles se perde ou é destruído, é considerado crime contra a História e causa a indignação popular, pois nossa história está sendo jogada no lixo.

Da mesma forma acontece também com os símbolos religiosos, mais precisamente com a Igreja Católica que fez e faz História, escreveu incontáveis páginas da História da Humanidade e particularmente de nossa própria história, da História do Brasil. Foi ela quem educou os povos na verdade, na justiça e na ética. E no Brasil teve um papel decisivo na educação do povo, na assistência aos pobres e desvalidos e na própria constituição da nossa Nação brasileira, tal qual a concebemos hoje. De tal forma, que preservá-la e respeitá-la são uma questão de justiça e reconhecimento de nossa consciência por tão grandes bens que dela recebemos por séculos e que ainda recebemos.

Embora, hodiernamente, haja uma pluralidade enorme na sociedade e mesmo em âmbito religioso, preservar a História e respeitar as religiões não são ofensas a ninguém, ao contrário, são motivos para honrar e enaltecer a consciência da nossa Pátria. Que possamos tomar consciência disso tudo e exigir – e, quando for necessário, defender – nossa cidadania cristã. A isso, bem nos orienta a Encíclica do Papa Leão XIII: Immortale Dei sobre a Constituição cristã dos Estados. Peçamos à nossa Mãe, a Senhora Aparecida, que abençoe e proteja nossa Pátria mãe.

 

Pe. Fábio F. Senna

 

Significado de Hodierno

adj. Atual; que diz respeito ao dia de hoje e/ou ao tempo recente.

Moderno; que reflete o momento contemporâneo: mundo hodierno.

Os comentários estão fechados.